Box Crossfit 351.2

 

ANO | 2017   LOCALIZAÇÃO | CARNAXIDE   CLIENTE | PRIVADO

Reception | Crossfit 351
Reception | Crossfit 351

Ricardo Oliveira Alves | Architecture Photography

press to zoom
Reception | Crossfit 351
Reception | Crossfit 351

Ricardo Oliveira Alves | Architecture Photography

press to zoom
Corte 2
Corte 2

press to zoom
Reception | Crossfit 351
Reception | Crossfit 351

Ricardo Oliveira Alves | Architecture Photography

press to zoom
1/30

A Crossfit 351 viu-se obrigada a mudar de instalações e, numa perspectiva de criar um ambiente com condições dignas de satisfazer a exigência dos seus seguidores, o apoio técnico na procura e adaptação de um espaço ideal era essencial.

 

A especificidade da área do crossfit condiciona a procura de espaços adaptáveis e não foi fácil encontrar espaços que se adequassem às condições pretendidas. Contudo, apesar de apresentar uma área inferior à pretendida, foi um espaço de armazém dedicado a serviços e pequena indústria na periferia de Carnaxide, com um pé direito de cerca de 6.60m e a preexistência de um mezanino em estrutura metálica com cerca de 100m2, que se revelou ter potencial para a instalação da Crossfit 351.

 

As características do armazém permitiram a organização das áreas destinadas a balneários e a espaços de utilização mais reservada num piso superior e assim libertar o piso térreo para o espaço de recepção e treino, permitido separar as zonas sociais das zonas mais reservadas e de utilização privada.

 

A demora na procura do espaço e a premente necessidade de libertar as instalações iniciais reduziu o tempo de projecto e obra para dois meses, o que aliados a um orçamento apertado resultaram em premissas importantes nas linhas orientadoras do projecto.

 

Para além do controlo nos custos, outra condicionante influenciou a definição do projecto: a permanência de animais domésticos na rotina diária obrigou à criação de espaços próprios e barreiras físicas de protecção.

 

Optou-se assim por soluções construtivas modulares em painéis acabados de forma a reduzir a mão-de-obra e eliminar tempos de finalização Os Painéis de Fibrocimento e as placas OSB foram as escolhas, sendo que a própria métrica dos painéis foi considerada no dimensionamento dos espaços de modo a evitar desperdícios e tempos de corte em obra.  

 

Ao assumir as instalações técnicas à vista, houve o cuidado de prever um desenho controlado na rede das canalizações sob o pavimento do mezanino. Esta opção, para além de reduzir custos de obra permite maior facilidade no acesso para manutenção e potencia o conceito industrial das instalações.

 

Tendo em vista a economia de recursos a intervenção concentrou-se no piso em mezanino e na área destinada à recepção, onde se instalou um núcleo funcional constituído por balcão, BackOffice para arrumos de material e instalação sanitária adaptada, comum a funcionários e a pessoas com mobilidade reduzida.

 

O portão seccionável de grandes dimensões existente no armazém original é mantido, contudo como se prevê sempre aberto nas horas de funcionamento do ginásio, foi necessário criar uma nova barreira através de um muro baixo com uma porta vai vém que encaminha às escadas de acesso ao piso superior e que juntamente com o balcão delimitam a recepção e controlam o acesso à área treino.

 

Este núcleo funcional da recepção que se apresenta como uma “caixa” inteiramente construída em painéis de OSB, pavimento incluído, esconde o mobiliário de escritório reaproveitado do ginásio anterior e faz de charneira entre as diversas áreas. No interior desta caixa, com acesso por uma porta dissimulada existe um espaço de apoio reservado aos funcionários e através de um pequeno vão discretamente aberto junto ao pavimento é possível a utilização deste espaço também pelos animais.

 

Esta parede de fundo elevou-se para albergar o logotipo da 351 e esconde as escadas de ligação ao piso em mezanino, originalmente em ferro e chapa de oliveira e agora forradas a painéis de fibrocimento preto como se fossem parte integrante do interior da “caixa”. O contraste entre as cores dos materiais define o percurso e diferencia os usos. Junto ao arranque das escadas de acesso aos balneários, localizada no piso térreo e de acesso imediato a partir da entrada encontra-se a instalação sanitária/balneário para pessoas com mobilidade reduzida incentivando a prática da modalidade às mesmas.

 

No topo da escada existe uma zona de impasse onde se encontram alguns cacifos, e uma circulação que através de uma sinalética produzida especificamente para este projecto, em acrílico branco recortado, nos conduz numa extremidade ao balneário masculino e noutra ao feminino. Promoveu-se um percurso oposto e de acesso protegido, no caso dos balneários masculinos por um armário técnico e no balneário feminino por um cortinado opaco suspenso do tecto do lado de fora da guarda, que permite salvaguardar a privacidade dos utentes sendo que nenhum dos balneários tem porta.

 

Os dois balneários são simétricos e semelhantes. À entrada localiza-se o vestiário com um banco central, na lateral encontram-se cacifos embutidos numa parede que distribui num topo para o corredor dos duches e no outro topo para o corredor das cabines sanitárias. Na parede em frente à entrada, construída em policarbonato translucido, localizam-se dois lavatórios com um espelho suspenso e no mesmo alinhamento uma bancada de apoio para secadores de cabelo no caso do balneário feminino e os urinóis no balneário masculino.

 

O volume dos balneários é caracterizado por uma parede em policarbonato que projecta sobre a área de treino a iluminação do interior dos balneários, sendo perceptível o movimento existente no seu interior sem retirar a privacidade destes espaços.

A restante iluminação foi adaptada às novas necessidades, reaproveitando as armaduras deixadas pelo anterior arrendatário e as existentes nas antigas instalações.

 

Tendo em conta que a prática do Crossfit tem por princípio o convívio, foi reservada uma área junto à entrada/recepção que permite a interacção entre os praticantes e os acompanhantes. Este espaço de caracter informal encontra-se “mobilado” com caixas em contraplacado de bétula que para além de serem utilizadas nas aulas servem também a função de bancos. No seguimento deste espaço desenvolve-se a área de treino, cuja transição é marcada por uma zona mais baixa localizada sob o mezanino, onde se faz a introdução ao treino e se reúnem as zonas de arrumação de material, o quadro com os treinos do dia e a área de controlo da música. Na continuidade deste espaço, agora com um pé-direito total e num ambiente mais industrial encontram-se distribuídos os equipamentos inerentes à prática da modalidade.

 

Este projecto foi um desafio estimulante, tão intenso e exigente quanto a própria modalidade, e o resultado foi muito gratificante, conseguindo garantir um espaço de qualidade a um custo muito controlado.